Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Informadouro

Somos mundo!

O nosso dever? Informar!

24.01.18

Primeiro Ministro apresentou na Marinha Grande a Estratégia de Recuperação do Pinhal do Rei


helena margarida

Município da Marinha Grande

O Primeiro-Ministro, António Costa, esteve na Marinha Grande, na passada segunda-feira, 22 de janeiro, para a apresentação da Estratégia de Recuperação do Pinhal do Rei que foi atingido em 86% da sua área, no incêndio de 15 de outubro.

Município da Marinha Grande

O momento foi precedido pela plantação de 300 sobreiros pelos alunos do Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria e pelos membros do Governo e presidente da Câmara, em talhões ardidos que estão a ser beneficiados com donativos oferecidos por diversas entidades ao ICNF, uma das quais a Rede Aga Khan para o Desenvolvimento que entregou um cheque no valor de 100 mil euros para a reflorestação do Pinhal do Rei.

A presidente da Câmara da Marinha Grande, Cidália Ferreira, lembrou que foi deste Pinhal que saiu a madeira para a construção dos mastros e das naus, “para que Portugal descobrisse o mundo” e aproveitou a presença dos governantes para reivindicar os “meios adequados para os nossos serviços florestais, vendo alocados aos mesmos, os recursos humanos e materiais imprescindíveis” e que a reflorestação do Pinhal seja uma prioridade para o ICNF.

António Costa foi ao encontro das palavras da autarca sublinhando que “temos a oportunidade de fazer diferente e de fazer melhor, convocando a comunidade local e mobilizando a comunidade científica, de forma a que possamos ter um pinhal melhor do que aquele que tínhamos” e que seja um Pinhal “para as próximas gerações e para o nosso futuro”. Dando como exemplo dessa mudança a plantação de sobreiros como “demonstração do que é a diversidade das nossas árvores e da sua resistência ao fogo e a ilustração de como devemos ter a descontinuidade das faixas e a boa combinação das espécies plantadas”.

Município da Marinha Grande

Do programa de visita fez parte também a assinatura do Acordo de Cooperação para a Criação da Comissão Científica do Programa de Recuperação das Matas Litorais. Um órgão “onde os agentes locais terão uma palavra na avaliação do Plano de Reflorestação, na elaboração de propostas de intervenção e uma co-responsabilização com o ICNF”, explicou a autarca.

Um passo dado na premissa de que a floresta deve ser entendida como “fonte de riqueza para esta geração e para as gerações vindouras”, daí que seja necessária a implementação da reforma da floresta. É “necessário que tenhamos a nossa floresta e as nossas populações mais preparadas e uma melhor capacidade dos agentes de proteção civil de responderem na primeira intervenção”, acrescentou o Primeiro Ministro.

No que diz respeito ao Protocolo de Criação do Observatório Local do Pinhal do Rei, Cidália Ferreira alertou para a importência da edificação do Museu da Floresta no Parque do Engenho, salientando que “não pode ser mais adiada”.

As entidades assistiram ainda ao abate de árvores queimadas no âmbito dos trabalhos de segurança nas faixas laterais de 25 metros das estradas.

VisitaPM_PinhalRei_22012018_4.jpgVisitaPM_PinhalRei_22012018_5.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

Comissão Científica para Recuperação do Pinhal

O Acordo de Cooperação para a Criação da Comissão Científica do Programa de Recuperação das Matas Litorais, foi outorgado pelo ICNF, pelo Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, pelos Institutos Politécnicos de Bragança, Coimbra e Leiria, pelo Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa e pelas Universidades de Aveiro, Coimbra e de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Tem como objetivos a recolha, compilação e sistematização da informação técnica e científica relativa à gestão das matas litorais e a valiação do procedimento atual de elaboração e implementação de Planos de Gestão Florestal (PGF) e de estabilização de emergência, reabilitação e recuperação de longo prazo, apresentando propostas para o seu melhoramento/optimização.

Esta Comissão terá também como função participar na execução de ações de divulgação de boas práticas no âmbito da recuperação de áreas ardidas na zona litoral e formar técnicos e equipas especialistas no planeamento e na implementação das ações previstas.

 

Observatório Local do Pinhal do Rei

O Observatório Local do Pinhal do Rei (OLPR) tem como propósito a avaliação do Plano de Recuperação do Pinhal do Rei e emissão de parecer sobre os relatórios do progresso desse plano. Terá também como competência a apresentação de propostas de ordenamento para usos, atividades e/ou de serviços que possam ser praticados no Pinhal do Rei e mobilizar instituições, organismos, empresas e particulares para apoiarem as atividades de recuperação do Pinhal do Rei, em especial as dedicadas a ações de rearborização de áreas ardidas, reabilitação do Vale do Ribeiro de Moel e controlo de invasoras lenhosas, em total coordenação com o ICNF.

Tem competências ainda para elaborar propostas de intervenção na área ardida do Pinhal do Rei e angariar financiamentos, se necessários, para as concretizar em parceria com ICNF e proceder à atualização, avaliação e divulgação regulares dos resultados dos trabalhos efetuados propondo as ações que entender adequadas para a prossecução das suas atribuições.