Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Informadouro

Somos mundo!

O nosso dever? Informar!

30.08.18

Sagrado e Profano voltam a cruzar-se em Vilar de Perdizes


helena margarida

Divulgação

Vilar de Perdizes, concelho de Montalegre, prepara-se para a 32ª edição do Congresso de Medicina Popular. Um evento onde o oculto é debatido desde 1983 sob o olhar atento do mítico padre Fontes.

De 31 de agosto a 1 de setembro «o valor da medicina popular e o poder das plantas para combater doenças» estará em destaque na aldeia barrosã. Três dias que serão também oportunidade de negócio para a hotelaria, restauração, comércio e uma atração turística de toda a região.

Haverá "diabos, diabinhos e diabetes" à solta no livro de Fernando Capela. O Mestre Alves juntará o Encosto dos Espíritos e o Exorcismo à conversa. Mário Brito irá contar "A História da Medicina Popular" animada pela terapia musical de Augusto Canário. Acácio Pradinhos vai ser "Um Artista dos Diabos". Teatro, Rancho Folclórico e passeios compõem aquele que é considerado um programa "do outro mundo".

 

 

 

 

28.08.18

Manipulação de testes de emissões custa 1,6 mil milhões de euros aos condutores portugueses desde 2000


Bruno Fernandes

mahkeo-509030-unsplash.jpg

 

1,6 mil milhões de euros.

Este é custo da manipulação dos testes de eficiência decombustível por parte da indústria automóvel para os automobilistas portugueses ao longo dos últimos dezassete anos. O resultado é de um estudo da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente (FETA), divulgado esta segunda-feira à noite. 

Segundo o estudo, a manipulação dos testes levou a um consumo extra, a posteriori, por parte dos consumidores. Só nos últimos dezoito anos, o acréscimo no consumo traduziu-se num custo de quase 150 mil milhões de euros a nível europeu. Em 2017, esse valor foi de 23,4 mil milhões de euros, sendo que desses 264 milhões correspondem à fatura paga pelos consumidores portugueses. 

O estudo vai mais longe e refere que o desempenho dos carros nos testes laboratoriais e em condições reais de utilização, que diferia, em 2000 cerca de 9%, aumentou para 42% em 2016. Para além da manipulação dos testes laboratoriais, o surgimento de novas tecnologias (como é o caso do start-stop) também é culpado por esta diferença, visto que obtêm maiores economias em laboratório do que em ambiente real. 

Apesar de estar prevista a implementação de um novo teste de laboratório, segundo a FETA, esse só vai introduzir novas lacunas. "Ao inflacionar os resultados dos testes WLTP em pelo menos 10g/km, a indústria automóvel pode facilmente atingir a redução de 15% nas emissões de CO2 proposta pela CE até 2025, diminuindo o impacto desta meta em mais de metade", refere. 

"Desde 2000, a manipulação dos testes de CO2 implicou a emissão de mais 264 milhões de toneladas de CO2 equivalente, correspondente às emissões anuais de CO2 dos Países Baixos", refere a Quercus em comunicado. A associação, que é membro da FETA, diz concordar com as conclusões do estudo e alerta: "Existem medidas que poderiam previr eficazmente as artimanhas, como a introdução de um teste real ou o uso de dados de medidores de consumo de combustível". A associação acredita que "a proposta da Comissão Europeia para reduzir as emissões de CO2 dos veículos ligeiros de passageiros e comerciais, depois de 2020, é inadequada e se traduz numa nova autorização para que a indústria automóvel mantenha o sistema de jogo". 

23.08.18

Campanha "Uma Árvore pela Floresta" agora com venda online


helena margarida

Divulgação

A QUERCUS e os CTT voltam a ser parceiros na iniciativa "Uma Árvore pela Floresta", que este ano entra na sua quinta edição. Esta parceria permite florestar com espécies autóctones diversas Áreas Protegidas e Matas Nacionais do nosso País, em particular as zonas mais afetadas pelos incêndios.

Na edição de 2018 estão à venda dois kits, um sobreiro e uma azinheira, por 3,50 euros cada, disponíveis em mais de 400 Lojas CTT espalhadas por todo o País. Pela primeira vez, os kits também estarão disponíveis na Loja Online dos CTT.

Os kits vendidos são convertidos em árvores, de espécies autóctones, que serão plantadas em áreas ardidas e/ou zonas classificadas do território nacional, na primavera de 2019. Desde o início do projeto já foram plantadas 80 mil árvores.

Este projeto, vencedor em 2015 do prémio Green Project Awards na categoria "Iniciativa de Mobilização" e do prémio Ambiente da PostEurop em 2016, uma organização afiliada das Nações Unidas, permite que os portugueses contribuam para a criação de bosques mais sustentáveis e resistentes a incêndios e promove a sensibilização para a importância da biodiversidade e da prevenção dos incêndios florestais.

A edição de 2018 conta ainda com a contribuição dos estudantes do Mestrado em Design e Publicidade do IADE-Universidade Europeia que, no âmbito da disciplina Narrativas e Storytelling, formularam as soluções criativas desta campanha de comunicação.

Acompanhe o projeto e registe a sua árvore em Uma Árvore pela Floresta.

21.08.18

Cabeceiras de Basto: presidente da câmara toma posição sobre portagens na A7


Bruno Fernandes

Ascendi/Divulgação

 

O presidente da câmara de Cabeceiras de Basto tomou uma posição em relação às portangens da A7 e vai levar essa declaração à reunião do Executivo Municipal. 

Num longo texto que a autarquia fez chegar aos órgãos de comunicação social, Francisco Alves é perentório a afirmar que os preços praticados, neste momento, na autoestrada são "uma descriminação negativa dos territórios do interior". O autarca justifica esta afirmação com o facto de o concelho ser "de baixa densidade populacional, equidistante das zonas mais interiores e mais litorais do País". "Esta autoestrada, desde a sua entrada em funcionamento, é portajada com o preço por quilómetro (Vila do Conde – Vila Pouca de Aguiar 0,092 €/classe 1) superior aos preços por quilómetro de algumas autoestradas do litoral do país (A1 – Porto Coimbra 0,054 €/classe 1 ou Porto – Braga 0,055 €/classe 1)", continua. 

Dizendo não "ser compreensível que nas reduções anunciadas, não se encontre prevista a A7", o texto conclui apelando "formal e publicamente ao Governo e, em especial, ao Ministro do Planeamento que seja analisada e decidida a redução de portagens para esta autoestrada, especificamente entre Guimarães e Vila Pouca de Aguiar". 

A reunião onde a declaração pode ser aprovada acontece na próxima sexta-feira. 

19.08.18

Castro Marim prepara-se para viver Dias Medievais


helena margarida

Divulgação

A XXI Edição dos Dias Medievais transforma Castro Marim numa vila encantada. De 22 a 26 de agosto Castro Marim será palco de acontecimentos e decisões que ficaram na história e de magníficas produções culturais e artísticas da época medieval.

Este regresso à Idade Média é já reconhecido pelo rigor da recriação histórica e, simultaneamente, pela inovação que procura trazer a cada ano. É também um dos maiores eventos nacionais do género. Com um recinto alargado, e com sucesso, durante as últimas duas edições, os Dias Medievais em Castro Marim vão ter por palco principal o Castelo, o cenário mais leal à Idade Média, onde acontecem as principais recriações, como as de artes e ofícios, onde estão representadas mais de 45 profissões, e os grandes espetáculos, como os torneios medievais a cavalo.

É também o Castelo, no Paiol, que acolhe a renovada exposição de Instrumentos de Tortura e Punição, mostrando-nos uma das razões pela qual a Idade Média é considerada como a Idade das Trevas. Esta exposição foi cofinanciada pelo Interreg V-A, apoiada pela União Europeia, cofinanciada a 75% pelo FEDER, projeto FOURTOURS.

Outro dos grandes destaques dos Dias Medievais será o Banquete Medieval, que, mediante reserva, dá a provar aos convivas as melhores iguarias da época, num espaço exclusivo, no chamado Castelo Velho, e por onde passam todos os grupos de animação do evento.

Pelas ruas e ruelas de Castro Marim vamos encontrar a recriação da vida quotidiana do homem da Idade Média, com a representação de todas as classes que estruturavam a sociedade na época – clero, nobreza, burguesia e povo. Guerreiros, grupos de música e de dança, cavaleiros, malabaristas, zaragateiros, cuspidores de fogo, contadores de histórias, gaiteiros, equilibristas, espadachins e contorcionistas, entre muitos outros, colorem o resto do cenário medieval. Nas mesmas ruas e ruelas encontramos todo o imaginário de uma época que carregava criaturas mitológicas, monstros, criaturas demoníacas e mágicas, que explicavam tudo o que era ainda vago e impreciso.

Os Dias Medievais em Castro Marim abrem pelas 18h00 e fecham portas pelas 00h00. 

Pág. 1/3