Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Informadouro

Somos mundo!

14.12.18

Lisboa: acidente com elétrico causa 28 feridos


Bruno Fernandes

Correio da Manhã/Direitos reservados

Um acidente com um elétrico na Lapa, em Lisboa, causou 28 feridos, incluindo duas crianças de nacionalidade britânica (uma de seis meses e outra de sete anos). Dez dos feridos tiveram que ser desencarcerados. 

Segundo várias testemunhas, citadas por diversos órgãos de comunicação, o elétrico poderia vir em excesso de velocidade. Alguns dos passageiros saíram pelo próprio pé. 

O acidente aconteceu na Rua de São Domingos à Lapa. O elétrico 25 fazia a ligação entre os Prazeres e a Praça da Figueira quando o mesmo descarrilou e capotou, embatendo contra um edifício. As causas do acidente ainda não são conhecidas, sendo que a Carris vai instaurar um inquérito. 

"Apesar do aparato, não há vítimas graves", assevera uma fonte oficial à Rádio Renascença. Todos os feridos foram encaminhados para o hospital. 

A EPAL foi também chamada ao local devido ao rebentamento de uma conduta na sequência do acidente. 

Marcelo Rebelo de Sousa, também esteve no local. O Presidente da República estava a sair de evento na Sociedade de Geografia de Lisboa quando soube do aidente. Segundo avança o jornal digital Observador, o chefe de Estado esteve apenas "cinco minutos" no local para não perturbar os trabalhos.  "Limitou-se a elogiar a prontidão dos meios de resposta e de socorro", referir fonte da Presidência. 

12.12.18

Portugal sobe uma posição no ranking climático e passa a desempenho elevado


helena margarida

Divulgação

Portugal subiu, este ano, uma posição e ocupa o 17º lugar, entre os 56 países industrializados abrangidos pelo Climate Change Performance Index (CCPI), passando a pertencer agora ao grupo de países com desempenho "elevado".

Uma posição que na realidade, informa a Quercus em comunicado, “corresponde ao 14º lugar, pois nenhum país está ainda a seguir um caminho compatível com o Acordo de Paris e os três primeiros lugares do pódio permanecem vazios”.

Os aspetos positivos destacados são: a representatividade das energias renováveis, as metas ambiciosas para as renováveis para 2030 e a política climática ligada ao objetivo de se tornar neutro em carbono até 2050 e eliminar o uso de carvão até 2030.

Já o setor dos transportes, em especial os transportes públicos e a mobilidade elétrica, são apontados como os principais aspetos negativos.

Portugal é um dos países que apoia o objetivo da União Europeia de alcançar zero emissões líquidas em 2050 mas, apesar da ambição do Governo manifestada pelo Ministro do Ambiente e da Transição Energética, durante a apresentação do Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050, apontando como setores prioritários de ação a produção de eletricidade e da mobilidade, “agora é necessário demonstrar coragem para implementar medidas que cumpram os objetivos definidos e o tempo urge”, lembra a Quercus.

Após um período de estabilidade, as emissões globais de CO2 estão novamente a subir. Os resultados do CCPI indicam que apenas um número reduzido de países começou a implementar estratégias para limitar o aquecimento global abaixo de 2ºC ou até 1,5ºC.

A classificação é novamente liderada pela Suécia, que ocupa o 4º lugar (que corresponde ao 1º lugar dado que os primeiros três lugares se encontram vazios). Segue-se Marrocos, pelo seu significativo aumento no peso das renováveis e pela sua ambição climática. A Alemanha volta a descer na classificação para a 33ª posição por culpa da falta de implementação das políticas nacionais como a eliminação do carvão ou a descarbonização do setor dos transportes. Por outro lado, a regulação das emissões da indústria e edifícios e um regime de apoio às energias renováveis valeram uma subida considerável da China, que se encontra agora no grupo dos países com desempenho "médio".

O grupo de desempenho "muito baixo" é ocupado por quase metade dos países do G20: Japão (49º), Turquia (50º), Rússia (52º), Canadá (54º), Austrália (55º), Coreia (57º) e na cauda da classificação, os Estados Unidos da América (59º) e a Arábia Saudita (60º). No caso dos EUA, a política climática é classificada como muito fraca, mas a ação climática a nível de diversos estados e cidades e a promessa dos Democratas, com nova maioria na Câmara dos Representantes, em impulsionar a política climática são sinais positivos.

A União Europeia - única entidade supranacional avaliada -, que representa 9% das emissões globais de GEE, subiu para o 16º lugar graças à ambição crescente da sua política climática, importante quer a nível dos Estados-Membros, quer a nível internacional, especialmente face à retirada dos EUA.

O CCPI é um índice desenvolvido pela Germanwatch, pelo NewClimate Institute e pela CAN, classifica 56 países e a UE, responsáveis por cerca de 90% das emissões globais de GEE. As quatro categorias examinadas são: emissões de GEE (40%), energias renováveis (20%), uso de energia (20%) e política climática (20%), sendo este último baseado em avaliações de especialistas por ONGs e grupos de reflexão dos respetivos países. O CCPI também avalia em que medida os respetivos países estão a tomar as medidas adequadas no âmbito das categorias de emissão, energias renováveis e uso de energia em direção ao objetivo global de Paris, de limitar o aquecimento global muito abaixo dos 2ºC.

12.12.18

Proença-a-Nova promove Sabores de Natal


helena margarida

Município de Proença-a-NovaFilhós, sonhos, rabanadas, coscoréis, entre outras iguarias típicas da quadra natalícia vão fazer as delícias de quem visitar o Mercado dos Sabores de Natal, que irá decorrer nos próximos dias 15 e 16, no Pavilhão Municipal de Proença-a-Nova.

Presentes neste certame estarão ainda artesãos e outros produtores do concelho que irão ter espaço próprio para venda dos seus produtos que podem representar boas sugestões de presentes de Natal.

No sábado, pelas 18h00, a animação vai ser na “Cozinha ao vivo” com o Chef Rodrigo Castelo, vencedor do Troféu Portugal 2018. No domingo, a Cozinha ao vivo será às 15 horas com o Chef Rui Lopes, que desenhou uma ementa de “Cascas, talos e sobras …. reutilize, reinvente e enriqueça a sua culinária”. Esta iniciativa decorrerá no âmbito do programa “Logística descarbonizada e economia circular para mercados tradicionais de frescos”, do Fundo Ambiental, com o objetivo de reduzir os impactos ambientais e de diminuir o desperdício alimentar.

Os “Resineiros” e os “Ribeirinhos da Concertina” são os convidados para dar música aos visitantes. Na aldeia de Natal e na Oficina dos Duendes, os mais novos poderão encontrar o Pai Natal e fazer prendinas com os duendes.

O Mercado funcionará das 16h às 00h, sábado e das 11h às 18h, domingo.

12.12.18

Castro Marim: Executivo camarário aprova licenciamento de Hotel de 4 Estrelas na Vila


helena margarida

Município de Castro MarimA vila de Castro Marim vai ter um Hotel de 4 estrelas. Francisco Amaral, presidente da câmara municipal diz estar-se a fazer justiça uma vez que “era a única sede de concelho do Algarve sem uma unidade hoteleira e uma grande lacuna na oferta turística da vila, além de ser uma fonte de emprego”.

O primeiro hotel em Castro Marim irá nascer junto ao Jardim Infantil e terá dois pisos, 44 quartos, piscina exterior e solário.

O novo empreendimento é uma iniciativa do proprietário do Hotel Apolo de Vila Real de St. António e tem a assinatura do Arquiteto José Alberto Alegria, também autor do projeto do Revelim de St. António e da Biblioteca Municipal de Castro Marim, “contribuindo para a criação de uma harmonia arquitetónica, marcada pela influência mediterrânica do Algarve Al-Andaluz”.

Prevista está também a construção de hotéis rurais em Odeleite (Vale das Gatas) e na zona da Maravelha (Castro Marim), bem como um apartamento edifício, de 3 estrelas, em Altura.

12.12.18

Lisboa: Fidelidade compra terrenos da Feira Popular


Bruno Fernandes

Município de Lisboa

Os terrenos da antiga Feira Popular de Lisboa, em Entrecampos, foram finalmente arrematados na venda em hasta pública da manhã desta quinta-feira. 

A Fidelidade foi a vencedora, assegurando os terrenos por 238,5 milhões de euros. A autarquia lisboeta também conseguiu vender um terreno na avenida Álvaro Pais por 35,4 milhões, segundo avança a edição online do Público. No total, os cofres camarários vão receber quase 274 milhões de euros. 

Os terrenos receberão um centro empresarial, espaços verdes e 279 fogos de habitação que poderão ser vendidos a preços de mercado. 

Pág. 1/3