Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Informadouro

Somos mundo!

O nosso dever? Informar!

22.03.18

Barcelos: Padre de Carapeços foi embora... mas com 15 mil euros pela mobília


Bruno Fernandes

3H Hugo igrejas Arquitectos, Lda./Homify/Direitos Reservados

 

O padre João Antunes, o pároco de Carapeços que foi afastado em fevereiro último, já saiu da freguesia de Carapeços, concelho de Barcelos, mas levou consigo 15 mil euros pela mobília da casa paroquial, avança o jornal Barcelos Popular

Segundo semanário, o padre ter-se-à reunido com o Conselho Económico (CE) da paróquia (popularmente conhecido como "Fábrica da Igreja" ou "Cooperação Fabriqueira") no passado dia 06 de março, antes de ser dispensado. Este órgão é sempre presidido pelo pároco e é composto por outros elementos da freguesia. A reunião seria marcada para a ser colocada à votação a compra por parte do CE da mobília da casa paroquial onde João Antunes morava enquanto padre de Carapeços. "A decisão da compra pelo valor de 15 mil euros foi decidida com quatro votos a favor e três contra", refere um documento tornado público por Pedro Silva, João Andrade e Guilherme Silva, os elementos do CE que votaram contra. Ao todo, o CE tem sete elementos, incluindo o pároco que fez parte da votação: "Note-se que o vendedor da mobília, padre João Antunes, exerceu o direito de voto enquanto elemento da Copoaração Fabriqueira no papel de comprador". 

Os três elementos não concordaram esta situação e denunciaram publicamente o negócio, para além de terem feito chegar uma queixa a Dom Jorge Ortiga, arcebispo de Braga. O grupo refere que não houve um inventários dos bens da casa e uma fotne acrescentou ao jornal que grande parte dos bens foram oferecidos a João Antunes na altura da construção da residência paroquial. Para além disso, falam de um "gravíssimo ato de gestão" num acontecimento "imoral e ilegal": João Antunes apareceu como parte interessada na venda mas, como fazia parte do organismo que adquiriu os bens, não se terá imiscuído de votar no negócio. 

Os denunciantes ponderam avançar com um processo judicial mas, primeiro, quiseram "esclarecer a comunidade", demarcando-se da decisão e "da eventual responsabilidade do desapareimento de bens patrimoniais da comunidade atendendo às sucessivas 'visitas' efetuadas à Igreja Paroquial, centro pastoral e residência", refere o jornal, citando a carta aberta. 

O pagamento de 15 mil euros já foi efetuado para a conta de João Antunes, sendo que o dinheiro saiu da direitos paroquiais e esmolas. 

Contacto pelo jornal, o padre desvalorizou a interpretação dos três elementos que votaram contra a compra da mobília mas, quando questionado sobre quais partes não eram verdadeiras, João Antunes disse não ter "declarações a dar. 

Recorde-se que João Antunes foi afastado da paróquia de Carapeços depois de, em janeiro, entrar em "rota de colisão" com o grupo de jovens Grupo de Jovens de Santiago de Carapeços - Kyrios, depois do padre ter acusado um elemento do grupo de ter enviado mensagens de cariz insultuoso. Em resposta, o grupo lançou um comunicado onde diz que as acusações são falsas. O padre suspendeu as atividades do grupo, proibindo-o de usar as instalações da igreja. As catequistas solidarizam-se com o Kyrios e não deram catequese. O padrea acabou por ser afastado pela diosese.