Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Informadouro

Somos mundo!

O nosso dever? Informar!

29.01.18

Depois da “Tempestade” CIMDouro aprova candidatura ao PROVERE


helena margarida

Divulgação

Foi aprovada em reunião extraordinária da CIM Douro a candidatura à segunda fase dos Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos – PROVERE.

Recorde-se que os municípios da Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro) haviam manifestado descontentamento pelo montante destinado ao programa. Em comunicado o município de Vila Real considerava “incompreensíveis os critérios subjacentes à afetação de verbas às duas Estratégias de Eficiência Coletiva a concurso, uma para o Tâmega e Sousa, com 8.029.094€ e outra para o Douro com 8.494.360€”. Montantes destinados a territórios de baixa densidade que estavam “muito aquém do expectável para a valorização dos recursos endógenos destes territórios” e que, no entender deste município não iria permitir “sequer implementar o que foi a grande conquista da anterior proposta de PROVERE, ao nível de projetos âncora de cariz intermunicipal, apostados na valorização integrada dos recursos do território”.

Agora, a decisão aprovada pela CIM Douro irá permitir candidatar a região através de um consórcio, assente numa lógica de rede e parcerias devidamente organizadas e estruturadas, que permitirá ganhos acrescidos face aos que se obteriam através da mera soma de iniciativas individuais e isoladas.

Através da parceria com o Turismo de Portugal no apoio à formalização das candidaturas e financiamento irão ser submetidos dois importantes projetos para a região duriense no âmbito da dinamização turística, fundamentados no desenvolvimento de material promocional ou sinalética, e que incentivem planos de marketing e atividades turísticas, artesanais e de desenvolvimento de produtos tradicionais.

O prazo para a apresentação das candidaturas decorre até 5 de março, prevendo-se que os projetos apresentados sirvam também de âncora a outros de desenvolvimento da região.

O PROVERE é o “Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos” e está integrado nos Programas Operacionais Regionais do quadro comunitário Portugal 2020. Pretendem fomentar, de uma forma sustentável, a competitividade dos territórios de baixa densidade, através da dinamização de atividades económicas inovadoras e alicerçadas na valorização de recursos endógenos. Promovem intervenções assentes em parcerias de natureza institucional que envolvem, obrigatoriamente, empresas, mas também organismos da Administração Pública, como as Câmaras Municipais, associações empresariais e de desenvolvimento local e regional, instituições de investigação e de transferência de tecnologia, entre outros