Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Informadouro

Somos mundo!

06.03.19

Matosinhos: Escola acusada de racismo por promover desfile com crianças mascaradas de "africanos"


Bruno Micael Fernandes

Facebook AP Escola do Godinho

A Escola Básica do Godinho, em Matosinhos, está na berlinda. E não é pelas melhores razões. Vários utilizadores nas redes sociais acusaram a escola de racismo depois da Associação de Pais ter publicado, na sua página de Facebook , uma anúncio de desfile de Carnaval com fotos de alunos e professores disfarçados de "africanos" com roupas culturais e caras pintadas de negro, avança o jornal online Observador

A associação retirou a publicação do Facebook depois de uma torrente de comentários acusando-a de racismo. No entanto, em seu lugar, emitiu um comunicado, informando que a ação se inseriu "no tema conjunto do Agrupamento de Matosinhos, sobre as diferentes Culturas do Mundo" e que no desfile em causa "foram representadas várias culturas: África, China, Brasil, entre outros, com o objetivo de celebrar a diversidade cultural. O Agrupamento de Escolas de Matosinhos, juntamente com os professores das escolas, entenderam escolher este tema para que fossem abordados conteúdos em sala de aula que pudessem dar a conhecer aos alunos a riqueza cultural de cada povo. Esse trabalho foi realizado nas semanas anteriores ao desfile", refere o mesmo comunicado. A Associação esclarece ainda que a escola do Godinho ficou com o "tema África. Para tal, as vestes usadas tentaram representar a riqueza da sua cultura, com os tecidos tradicionais africanos". 

A associação garante que a ação nunca teve qualquer "intenção nem nunca esteve subjacente qualquer comportamento racista". 

A publicação foi colocada na página "Blackface Portugal" que dedica a denunca comportamentos que ache racistas. Ao jornal digital, o adminsitrador da página diz que o trabalho é anónimo e que a eliminação das fotografias por parte da Associação de Pais foi a postura "correta mas que não ajuda a que haja uma conversa pública sobre isto". O gestor defende que "mesmo que isto seja com boas intenções e sem qualquer vontade consciente de denegrir quem seja, poderá sempre magoar os negros porque estes não estão a ser incluídos, estão a ser ignorados e a pele deles está a ser usada como fatiota".